Terça-feira, 8 de Março de 2011

Grupo de Trabalho para o Património Imaterial, recentemente extinto, custou ao Estado 209 mil euros, sem apresentar resultados

Os ministros da Cultura e das Finanças extinguiram no mês passado um grupo de trabalho que haviam criado um ano antes, para fazer o levantamento dos bens culturais imateriais, mas que apenas se reuniu uma vez e não desenvolveu qualquer actividade de campo. Dois dos membros daquele grupo, que custou ao Estado cerca de 209 mil euros, acusam o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) de nunca ter proporcionado as condições indispensáveis ao seu funcionamento. Um deles, o ex-director regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Marques, responsabiliza pessoalmente o secretário de Estado da Cultura, Elísio Sumavielle, pelo falhanço do projecto e por ter “lesado o interesse público”.


Criado em Janeiro de 2010, o Grupo de Trabalho para o Património Imaterial tinha por objectivo a realização, “no campo”, do levantamento “sistemático” e “tendencialmente exaustivo” do património cultural imaterial português. Este levantamento devia ser efectuado no quadro do Departamento do Património Imaterial do IMC e estar concluído até 31 de Dezembro deste ano, constituindo o ponto de partida para a inscrição dos bens imateriais no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial – tarefa que compete legalmente a uma comissão criada em Dezembro último.


Entre os bens cujo levantamento cabia ao grupo de trabalho avultavam “as tradições e expressões orais”, “as expressões artísticas e manifestações de carácter performativo” e “as práticas sociais, rituais e eventos festivos”. Para cumprir esta missão, dada a sua grandeza e a escassez de recursos do IMC – que tinha apenas três pessoas no Departamento do Património Imaterial (DPI), incluindo o director -, a ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, começou por escolher os anteriores directores regionais de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Marques, do Norte, Helena Gil, e do Alentejo, José Nascimento, que ela própria substituiu quando assumiu funções, em Outubro de 2009. Nenhum deles era funcionário do Ministério da Cultura, pelo que foram contratados com a remuneração mensal de 2613 euros, “paga 14 vezes por ano”, por um período de 24 meses, renovável por uma só vez.


De acordo com o previsto, o grupo começaria a trabalhar em Janeiro de 2010 nas instalações do IMC, no Palácio da Ajuda. O atraso na disponibilização das salas levou, porém, a que os três ex-directores nunca se chegassem a instalar em Lisboa. Já em Março, juntaram-se à equipa duas jovens técnicas que passaram a trabalhar diariamente no DPI, reforçando, na prática, o quadro daquele serviço.


Os três ex-directores, a acreditar nas “informações” avulsas que subscreveram em substituição dos relatórios trimestrais que o grupo estava obrigado a produzir, não fizeram praticamente nada até serem exonerados – com efeitos a partir de 1 de Março -, na sequência da extinção formal da equipa, no dia 12 do mês passado.


Luís Marques, que há longos anos trabalha na área do património imaterial, e Helena Gil não deixaram, contudo, de apontar o dedo ao IMC nas duas informações que apresentaram ao instituto, em Março e em Julho de 2010. Na primeira, a que juntam uma análise elaborada em conjunto sobre um inquérito lançado pelo DPI junto de centenas de entidades relacionadas com o património imaterial, salientam que essa iniciativa é da “exclusiva responsabilidade do DPI”, não tendo o grupo de trabalho tido qualquer intervenção nela, “apesar de a maioria dos seus membros estar ao serviço desde Janeiro”. Na segunda, afirmam que o grupo, “por razões exteriores à sua vontade [...], não conta ainda com as condições básicas de funcionamento, designadamente continua a aguardar a disponibilização das salas.” Os seus membros, acrescenta o documento, “eventualmente a desempenhar tarefas a nível individual, não deram a conhecer o essencial de uma tal acção, nem reuniram em plenário e discutiram e definiram as regras e metas do seu trabalho”.


“Inércia” e “desleixo”
Luís Marques e Helena Gil notam também que solicitaram reuniões a Graça Filipe – a subdirectora do IMC que tinha a responsabilidade do grupo de trabalho e se demitiu em meados de Fevereiro “por razões pessoais” – para lhe manifestarem a sua preocupação, “mas sem sucesso”.


Já José Nascimento, que o PÚBLICO não conseguiu ouvir, limitou-se a apresentar durante todo o ano três documentos de duas ou três páginas onde afirma ter analisado e estudado algumas convenções da UNESCO e ter traduzido alguns textos de “especialistas convidados pela UNESCO”.
Contactado pelo PÚBLICO, Luís Marques insurgiu-se contra a ideia de que tinha estado um ano a receber sem fazer nada, adiantando que falou várias vezes em demitir-se, mas que sempre lhe disseram que ia finalmente haver condições para trabalhar, o que nunca aconteceu. “O que me dói é terem-me impedido de fazer o que há tanto tempo eu queria fazer”, afirma, atribuindo a maior parte das culpas ao secretário de Estado da Cultura.


“A posição dele foi de completa inércia e desleixo funcional, ficando durante um ano praticamente de braços cruzados sem nos dar as condições mínimas de funcionamento. Esta actuação fez com que o interesse público fosse lesado”, acusou o ex-director regional, sustentando que “a direcção do IMC também não pode ficar isenta de responsabilidades”.

 

Fonte: Público, 06/03/2011

publicado por mhp às 02:11
link do post | comentar | favorito

.Informações sobre o MHP

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.arquivos

. Abril 2012

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

.posts recentes

. NOVO ENDEREÇO DESTE BLOGU...

. Mudança de imagem e ender...

. Sidónio Pais vai ter Muse...

. Conferência Internacional...

. Jornadas Europeias do Pat...

. A Câmara do Porto quer co...

. Catálogo on-line da expos...

. Boletins Culturais de Vil...

. Elevador de Santa Justa c...

. Jornadas Europeias do Pat...

. Descobertos nos Açores pr...

. Braga: Turel ganha espaço...

. Biblioteca Nacional tem c...

. ON.2 promove rede de coop...

. Apresentação da Revista P...

. Museos.es – uma edição do...

. Santana classificada pela...

. Lançamento do livro “Alga...

. Produtos Artesanais – Doc...

. Criado “Roteiro” para pro...

. ...

. Biblioteca Britânica e Go...

. Museu Virtual do Porto de...

. Revista “Amigos de los Mu...

. FAUP lança Curso de Estud...

. Encontro Iberoamericano s...

. Curso livre sobre Arqueol...

. ARQUIVO SECRETO DO VATICA...

. Projecto “Às terças na sa...

. Exposição “Brinquedos Por...

. FAUP lança Curso de Estud...

. Classificação de Imóveis ...

. Lançamento do livro «Rece...

. Túmulo nos Jerónimos pode...

. Exposição “Arqueologia do...

. Seminário “O AMbiente Dig...

. “Casa Portuguesa” vai sur...

. Ruínas romanas de Tróia r...

. Recuperação do Teatro do ...

. Orientações para a Descri...

. Curso de Versão: "FILMMAK...

. Site do Secretariado Naci...

. “Espólio artístico das Mi...

. Nova versão de Ficha de S...

. Seminário “Os Arquivos co...

. IGESPAR prevê lançar conc...

. Ministros da Cultura acor...

. 3º Festival Internacional...

. Dia Internacional dos Arq...

. Instituto Andaluz do Patr...

.Últimos Comentários

Bom dia,O link está com um problema, que não permi...
Joana,O novo site ainda está em construção, mas o ...
Boa noiteGostaria de saber qual o novo endereço do...
Boa entrada, Paulo. Esta iniciativa seria um óptim...

.tags

. todas as tags